Todas as manhãs, Carmen Moreno



Despertar é vitória infinda,
a qual o orgulho humano não brinda,
por julgar rotineiro e certo
o descerrar das pálpebras.
Por conceber ato consumado a sorte da hora:
a verve rara de Deus rimando vida e aurora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Outono!

LITERATURA DE CORDEL: A MEMÓRIA DO SERTÃO EM FOLHETOS