Retalhos de intimidades

 

Estou no precipício das palavras, no infinito inventar que inacaba e não basta. No mistério da estranheza familiar de Freud, aropelada por descalabros não meus. É uma frustração do distanciamento acelerado da origem, do destino, da natureza.

"Algo está me chateando. Acho que sou eu mesmo." (Dylan Thomas)

Quero árvores, lagos e terra; quero animais , sossego e desconhecer a serra: elétrica, tétrica, maléfica! Quero cavalos, porcos, galinhas e gatinhos, sem esquecer os cães e os passarinhos.

"Escrever não é nada mais que ter tempo de dizer: estou morrendo." (Gaëtan Picon)

Quero escrever sob o calor saudável, sem passar sundown 30, sobre a molecada desvirtualizada, desconectada do mal-estar eletrônico; observar os maribondos fazendo casinhas de barro no quadro pintado por minha vó, pensando ser árvore de verdade. Que espelho! Que imagem!

"A escrita sempre foi destituída de quaisquer referências caso contrário ela é... Ela ainda se acha como no primeiro dia. Selvagem. Diferente. Exceto a gente, as pessoas que circulam no interior do escrito, durante o trabalho o autor nunca esquece, nunca lamenta. Não, disso estou certa. Portanto, é sempre a porta aberta para o abandono. Existe o suicídio na solidão de um escritor. " (in:"Psicanálise, Literatura e Estéticas de Subjetivação)
Pode-se sentir só no interior da própria solidão. Quase inconcebível, perigosa, sim, um preço a pagar por ter ousado arriscar expor-se, sair e gritar em letras aladas..Não sou escritora renomada, porém me rejubilo em meu tentar e sonhar, pois isso nada pode me tirar. E as palavras que escrevo, estas que tão desconheço até que se desenham sobre as pautas... e então chego perto de as entender... e dizem não existir milagre...Pois se até a caneta comunica...

"Viver sem algumas coisas que desejamos é uma parte indispensável da felicidade." (Bertrand Russel)

Mas ainda quero contar a história do pé de limão que acabou dando mexericas, o limoeiro mexeriqueiro mais amado, o mais querido, desde jovenzinho esbanjava verde, vida, vigor, até sorria!

Tania Montandon

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Outono!