ATÉ LÁ DENTRO

 

               Quando eu ainda pensava em felicidades, felicidade era gesto despachado de me despir amassando peças de cima de baixo, ninguém recolher! o pessoal gritando tira tira tira tira mais! eu nuinha até lá dentro da silva e incólume, isso, incólume! de bunda arrepiada na praça e o mundo cheia de roupa no colo... Teve dia, ah, teve dia do meu sorriso escorrer por baixo, e menstruei abertamente meus perfumes de gardênia, leite coalhado e aborto mal curado... é fazia mal não, era um bálsamo o sabonete barato de lavatório da cidade, eu me banhava, me felicitavam, essa mulher vai longe! vai longe, não fui, nem cheguei a recolher meu soutien cor de carne embolado lá na calçada... Passou passou passou! uso sutiã, anágua e meia de liga todo santo dia, quando me dá na telha uso combinação, tenho sido feliz algumas vezes me usando no avesso, ainda me dou ao luxo de exibir-me alinhavos.

Beatriz Escórcio Chacon

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Outono!