MENSALAO:VERDADE E MENTIRA

 

 

Uma amiga no Rio está escrevendo um trabalho para a universidade sobre A VERDADE e comentou que está lendo Aristóteles e Nietszche.
Uma amiga em São Paulo está escrevendo um trabalho, também para a universidade, sobre A MENTIRA, e me pediu opinião e até aquele poema “A implosão da mentira”que está no Google e já foi usado por partidos diferentes em campanhas eleitorais dizendo que o “outro”é que era mentiroso.
Vocês já repararam que estou falando do “mensalão”.
Claro que indiretamente. E que falar disto é ter que falar da VERDADE e da MENTIRA ao mesmo tempo.
Lembrei à amiga carioca que procura a VERDADE, aquela frase de Tenessee Willians no “De repente, o ultimo verão”: “a verdade está no fundo de um poço sem fundo”. Claro que na Biblia, Cristo diz que ele é a Verdade, e tem aquela coisa de “nao julgueis para que não sejais julgados?”.
Já imaginaram uam sociedade sem lei e julgamentos?
O Supremo Tribunal Federal é composto de juizes célebres. E os juizes são advogados. E os advogados lidam com a mentira e com a verdade. Isto é mais complexo ainda: podem converter verdades em mentira e mentiras em verdade. Pode, por exemplo, um criminoso ser solto e a vittima ser culpada de ser vitima.
O problema é que as leis são feitas de palavras. E nos cursos de direito, para o bem e para o mal, se aprende a lidar com os sofismas, com as regras da oratória. O discurso é que solta ou condena, não os fatos necessariamente,
Você sabia que durante o periodo Barroco, aí pelo seculo XVII e XVIII os jesuitas aprendiam a manejar 256 tipos de sofismas? Você sabia, que o Pe.Viera que viveu na Bahia escreveu uma Historia do Futuro, onde usando desses sofismas, provou que o D.Sebastião ia ressucistar sob a forma de D João IV e chegou a marcar o dia e a hora em que isto ia ocorrer?
E o “ mensalão”?
Tudo é possivel. As palavras nem sempre correspondem aos fatos, Os fatos muitas vezes são construidos de palavras.

Affonso Romano de Sant’Anna
(*Radio Metropole, 18.09.2013)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Outono!

LITERATURA DE CORDEL: A MEMÓRIA DO SERTÃO EM FOLHETOS