Crônica de Raquel Naveira

Chá



                 
Louças de porcelana, xícaras e pratos decorados com desenhos de pássaros
O chá é a bebida mais consumida do mundo. A infusão mágica feita com raízes, ervas, frutas e água quente, que, ao mesmo tempo, ativa o metabolismo e acalma os nervos.
O primeiro parágrafo do romance "Retrato de uma Senhora", de Henry James, descreve uma cena típica inglesa: uma casa com fachada de tijolos vermelhos à beira do rio Tâmisa; um gramado verde entre carvalhos e faias; a mesa posta para o chá.
Comenta o autor: “Há poucas horas na vida mais agradáveis do que aquela dedicada à cerimônia conhecida como chá da tarde... Das cinco às oito horas é, em certas ocasiões, uma pequena eternidade, mas numa ocasião como esta, o intervalo só podia ser uma eternidade de prazer.”
E daí para frente as personagens nos são apresentadas entre sorvos de chá de jasmim e pimenta preta, acompanhado de geleias e confeitos de mel e limão. Há também um olhar especial sobre o aparelho de chá: as louças de porcelana, xícaras e pratos decorados com desenhos de pássaros e cores brilhantes.
Fecho o romance e o guardo na prateleira. Dizem que os ingleses aprenderam a tomar chá com a princesa portuguesa Catarina de Bragança, que se casou com um rei britânico. E que os portugueses, por sua vez, foram os primeiros europeus a tomar contato com o chá, quando chegaram ao Japão, lá pelos idos de 1500.
Japão... que país poético. Já sei. Vou convidá-lo para tomar um chá comigo esta tarde. Colocarei a mesa perto da varanda; vestirei um quimono de seda e meias brancas; acenderei grãos de incenso; farei um arranjo de flores, talvez orquídeas. Na estante baixa encostarei uma gravura: um noturno de lua, neve e folhas de plátano.
Não deixarei que meu rosto transpareça nenhuma tristeza, nenhum pesar, nenhum aborrecimento de pobreza. Demonstrarei cortesia e paz. Sentaremos de frente um para o outro. Nesta estação de outono, prepararei um chá verde espumoso, que tomaremos aos poucos, em silêncio, desligados do mundo e do tempo. Várias vezes pegarei o bule do braseiro, as mãos em gestos de um delicado balé. Colocarei mais chá, mais açúcar com uma concha de bambu. Serei uma espécie de monja e gueixa. Minha filosofia, a do equilíbrio e da purificação.
Convido-o a tomar um chá comigo esta tarde. Prometo que jamais haverá um momento igual. Olharemos da varanda os prédios, os espigões altos e cinzentos, palitos fincados na terra. O sol baixará no horizonte, numa claridade frouxa de crepúsculo e agonia. A noite envolverá tudo com sua opressão vitoriosa, seu negror de luto. Luzes se acenderão nas janelas como tochas. Lanternas vermelhas. Eu terei chorado depois do beijo e meu olhar derramará estrelas.
O chá... sempre pode ser um encontro ou uma despedida.

Raquel Naveira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Outono!

LITERATURA DE CORDEL: A MEMÓRIA DO SERTÃO EM FOLHETOS