Abismo em construção




Lá estão, na labuta, os operários.
E não demora o prédio risca o céu,
para abrigar uns tantos milionários
em tudo tão atentos ao que é seu.
Antigos, imutáveis, tais cenários
deixam marcas profundas de um cinzel.
São chagas, cicatrizes. Sinais vários
de que a abolição nunca floresceu.
Em breve haverá câmeras, alarme
e grades protetoras do perigo
na falsa sensação de haver abrigo.
"O mundo por si só que se desarme"
muitos ali na certa pensarão.
E assim, apaziguados, dormirão.

                         Wanderlino Teixeira Leite Netto
Do livro: Café pingado, Muiraquitã, 2012, Niteroi/RJ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Outono!