Walden ou a vida nos bosques (fragmento)

 

 

               (...) Tenho bastante companhia em minha casa, especialmente na parte da manhã, quando ninguém me procura. Deixai-me sugerir algumas comparações a fim de que se possa ter idéia de minha situação. Não sou mais solitário que o mergulhão a rir tão alto no lago, nem que o próprio Walden. Que companhia, pergunto eu, tem esse solitário lago? E todavia tem em si não demônios, porém anjos no tom azul de suas águas. O sol é só, salvo em tempo cerrado quando às vezes parece ser dois, mas um deles é falso. Deus é só — porém o demônio está longe de ser só: ele é legião. Não sou mais solitário que um verbasco ou um dente-de-leão isolado no pasto, nem que uma folha de vagem, uma azeda, um moscrado ou uma vespa-de-rodeio. Não sou mais solitário que o Mill Brook (Arroio do Motinho), que o catavento, que a estrela do norte ou o vento do sul, que uma pancada d'água em abril ou um degelo em janeiro, ou que a primeira aranha numa casa nova.

Thoreau

Do livro: Walden ou A vida nos bosques, Henry D. Thoreau (Coleção Armazem do Tempo), trad. Astrid Cabral, Global Editora, 2ª ed., 1984, RJ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Falecimento Hilda Hilst (2004, Campinas/SP)