Poema de Pablo Neruda



O Mar

Um ser único, nem sangue.
Uma só caricia, morte ou rosa.
Vem o mar e junta as nossas vidas
e sozinho investe e reparte-se e canta
na noite no dia no homem na criatura.
A essência; fogo e frio; movimento.
                                              Pablo Neruda


Fonte: http://kafekultura.blogspot.com.br/2012/05/o-mar-de-pablo-neruda.html

Imagem relacionada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Outono!

LITERATURA DE CORDEL: A MEMÓRIA DO SERTÃO EM FOLHETOS