Mito em Contexto

keres

As Queres

O conceito de Queres variou bastante no mito grego. Desde a Ilíada, as filhas da Noite já eram confundidas com a Moira, o Destino Cego, e também com as Erínias, vingadoras do sangue parental derramado. As Queres são monstros que foram representadas como Gênios alados, sempre vestidas de preto e com longas unhas aduncas. Dizem as lendas que elas despedaçavam os cadáveres e bebiam o sangue dos mortos e feridos, por isso normalmente apareciam nas cenas de batalhas e momentos de muita violência.

A função das Queres não era restrita aos campos de batalha, elas também aparecem como destinadas a cada ser humano, personificando o gênero de morte e o gênero de vida determinado a cada um. Assim, o herói Aquiles pôde escolher entre duas Queres, uma que lhe proporcionaria uma vida longa e tranquila, mas inglória; outra que lhe daria uma vida de glória, mas o preço era a morte prematura, e esta foi a que ele escolheu. Zeus pesou na balança as Queres de Aquiles e Heitor na presença dos deuses, para saber qual dos dois pereceria no combate final diante das muralhas de Troia.

Na Teogonia, Hesíodo fala de uma Quere, irmã de Tânatos e de Moro, e fala também de várias Queres, irmãs das Moiras. Como o conceito de Quere é popular e vago, pode se apresentar tanto como divindade única, como um poder imanente ao indivíduo. Na Ilíada, inclusive, uma Quere é atribuída aos aqueus e outra aos troianos, o que se conclui que a noção de Quere podia ter um valor coletivo.

Platão considerava as Queres como gênios malévolos, iguais às Harpias, que poluem tudo aquilo em que tocam. A tradição popular identificou-as com as almas maléficas dos mortos, que se devem apaziguar com sacrifícios específicos, como acontecia no último dia dos festejosdionisíacos das Antestérias.

Solange Firmino

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Outono!