Nascimento de Charles Dickens e outras palavras em Blocos

Charles John Huffam Dickens, (Portsmouth, 7 de Fevereiro de 1812 — 9 de Junho de 1870), que também adotou o pseudônimo Boz no início da sua atividade literária, foi o mais popular dos romancistas ingleses da era vitoriana. A fama dos seus romances e contos, tanto durante a sua vida como depois, até aos dias de hoje, só aumentou. Apesar de os seus romances não serem considerados, pelos parâmetros atuais, muito realistas, Dickens contribuiu em grande parte para a introdução da crítica social na literatura de ficção inglesa.

Entre os seus maiores clássicos estão "David Copperfield" e "Oliver Twist".

Ilustração da primeira edição de "A Christmas Carol".

Texto e ilustrações retiradas daqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Charles_Dickens

…………………………………

 

Concursos literários

Regulamentos:  Editais dos Concursos Nacionais e Municipais de Ponta Grossa/PR (diversas
categorias), Prêmio Cecílio Barros Pessoa de Poesia (até março), Prêmio Cuore de Literatura
infantil e Infanto-Juvenil (até março), VIII Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus, em
comemoração ao centenário de Jorge Amado (até maio), Seletiva para o Clube das Bruxas (até julho)
.

Resultados: Prêmio Eliane Ganem de Literatura Infanto-Juvenil de 2011, 8º Concurso Rogério
Salgado de Poesia, Prêmio Cultural Aluísio de Almeida e 13e. Concours Littéraire International
du CEPAL Palmares (França)

Literatura

Poesia

 Cidades brasileiras: Santana do Ipanema (AL), Maria do Socorro Ricardo

Prosa

Coluna trimensal de Marl Berg: "Livros em Blocos"

Frases da semana (Seleção Leila Míccolis)

 Sempre procurei transformar os desastres em oportunidades - Rockefeller

 Pinto os cabelos de preto para os encontros amorosos e de branco para as reuniões
de negócios - Onassis

Site de Leila Míccolis

 Coluna quinzenal de Vânia Moreira Diniz

 Nova crônica de Leila no Yubliss (se comentar, assine seu nome)

 Blog com muita novidade (postagem diária em janeiro)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Outono!

LITERATURA DE CORDEL: A MEMÓRIA DO SERTÃO EM FOLHETOS