PAISAGEM VISTA DA JANELA

 

Diante dos dados
Que um dia pertenceram a Mallarmé
De todos os lados
Dedilham bailados os teclados
Tocam a cada dia
Etrônica transformação
Na poesia lua nova se anuncia
E se cada vez mais navegar é preciso
Outro Lusíadas é o épico a cantar
Posto que hoje bem outro já é o mar
Ora direis
O céu nunca esteve tão perto de cada rosto
Para ver estrelas nem mais necessário erguer o pescoço
Ruindows ou não
Segurando a caveira do monitor na mão
Cada qual contempla a sua tela
Em informática solidão

Ricardo Alfaya

Comentários

Anônimo disse…
Valeu pela postagem do poema, Mônica. Um grande abc, Ricardo Alfaya.

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Outono!