Ledo Ivo

DIANTE DO ESPELHO

Espelho, espelho meu
haverá alguém no mundo
mais diferente de mim
do que eu?

     
       

HOMENAGEM A UM SEMÁFORO

Aquele semáforo junto ao mar, na minha infância.
Sempre amei as coisas que indigam ou significam algo
— tudo o que, em silêncio, é linguagem.

                                                   

Do livro: "Poesia Completa - 1940-2004", Topbooks, Estudo introd. Ivan Junqueira, Topbooks, RJ, 2004

 

 

 
       
       
       

O começo do verão

Assim começao o verão: as moscas zumbem
e as pedras resplandecem
e os rumores do mundo nos perseguem
sob a forma de duas e miragens.

E sucede que, ao cair da noite,
o dia se converte no intocável
seio nu, rival do sol extinto.
E as cigarras cantam. E os trens passam.

A vida, abelha sem mel, zumbe na claridade.
E as moscas importunam os corpos
embalsamados pelo verão.
E nas matas crepitam os primeiros incêndios.

 

     
       

 

 

Jornalista, poeta, romancista, contista, cronista e ensaísta, nasceu em Maceió, AL, em 18 de fevereiro de 1924. Sua obra de poesia e de prosa foi amplamente reconhecida e premiada, quase todos seus livros têm prêmios nacionais. Eleito em 13 de novembro de 1986 para a Cadeira nº 10, sucedeu a Orígenes Lessa, e foi recebido em 7 de abril de 1987, pelo acadêmico Dom Marcos Barbosa. Eleito "Intelectual do Ano de 1990", recebeu o Troféu Juca Pato. Lêdo Ivo é uma das figuras de maior destaque na moderna literatura brasileira, notadamente na poesia. É do Conselho Administrador do portal Blocos Online e participa da Saciedade dos Poetas Vivos, vol. 4.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Outono!

LITERATURA DE CORDEL: A MEMÓRIA DO SERTÃO EM FOLHETOS