Cesária Évora, agora, canta nas nuvens...

Morre a cantora cabo-verdiana Cesaria Évora

Ela tinha 70 anos e ficou conhecida como a 'diva dos pés descalços'.

Évora havia abandonado definitivamente os palcos há três meses.

 

A cantora cabo-verdiana Cesária Évora (Foto: AFP)

 

A cantora cabo-verdiana Cesária Évora (Foto: AFP)

A lendária cantora cabo-verdiana Cesaria Évora morreu neste sábado (17) em um hospital de Cabo Verde, anunciou o ministro da Cultura deste país, Mario Lúcio Sousa.

Évora, de 70 anos e cantora de fama internacional, abandonou definitivamente os palcos há três meses por problemas de saúde.

A cantora sofria há vários anos de diversos problemas e chegou a ser submetida a sérias operações, incluindo uma cirurgia cardíaca em maio de 2010.

"Não tenho forças, não tenho energia. Gostaria que dissessem aos meus admiradores: sinto muito, mas agora preciso descansar. Lamento infinitamente ter que me ausentar devido à doença, gostaria de dar ainda mais prazer aos que me seguiram durante tanto tempo", disse Évora ao jornal francês Le Monde ao anunciar o fim de sua carreira, no dia 23 de outubro.

Esta ex-cantora de bares na cidade de Mindelo, na ilha de San Vicente, tornou-se subitamente uma celebridade mundial com seu terceiro disco, "Miss perfumado", em 1992, e pouco depois realizou dois shows triunfais em Paris.

Évora ficou conhecida como a "diva dos pés descalços", título de seu primeiro disco (lançado em 1988), por cantar sem sapatos em suas atuações, em homenagem aos mais pobres, e as letras de suas canções frequentemente eram dirigidas a essas pessoas.

Embora o sucesso tenha chegado tarde para esta artista, que, na época, já tinha mais de 50 anos, ele nunca parou de crescer.

A artista recebeu em 2009 a insígnia da Ordem da Legião de Honra da França depois de mais de 45 anos de carreira musical, incluindo seus 14 álbuns.

Depois de se retirar dos palcos, Évora comemorou com simplicidade seus 70 anos no dia 27 de agosto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de Reis, desmonte da árvore, romã...

Outono!