Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2011

Novidades e lembranças...

Rizolete e Flamarion: poesia e prosa em Blocos

Ensaio de vidaA vida
orquestra a ensaiar
cotidianamente
ora repertório de adágios
andaimes largos
andamentos de emoção
e harmonia puraOra desconcertante sinfonia
maestria ausente
em andantinos e prestos
melodia improvisada
sem cadência
e partituraPorque a vida, a vida, a vida
esta grande orquestra
em permanente ensaio
há que ser regida equilibrando
na extremidade dos dedos
a vertigem do presto
e n"alma um suave adágio          Rizolete FernandesDo livro: "Canções de abril", UNA. 2010, João Pessoa/PBA arma de cada um– Eu andava solteiro, aí conheci a Diva, mulher bonita, loura, os homens endoideciam ao vê-la passar pelas ruas de Cruz das Almas. Mas Diva era uma dessas mulheres, como se diz, perdidas. Ganhava a vida assim, indo com um e com outro. Contudo, não se gastava, conservava o charme, a altivez, a postura. Sabe aquela atriz do cinema americano, a Marilyn Monroe? A Di…

Um país a ser descoberto – Marcelino Rodriguez

Tempos atrás eu tinha uma amigo pernanbucano bastante viajado.  Engenheiro, vivera na França, inclusive. Ele costumava parar e ficar filosofando ao ver os populares que fazem performace e pregam o apocalipse  na praça do Largo da Carioca.
— "Olha ai, meu rapaz. Aqui tem de tudo:  profetas, saltibancos. O país está em plena Idade Média, a espera de ser  descoberto. Não tem ferrovias, não tem transporte marítimo. Não tem nada.  Tudo ai estar por ser feito."
E vejo que ele, do alto de sua experiência de  viajante, tinha toda razão. Se não se criar cérebros pensantes e criativos  para o futuro, não se terá nunca uma infra-estrutura desenvolvida. Será  sempre os banheiros fechados aos cidadãos, a porta na cara, o salve-se quem  puder, pois não haverá quem construa pontes humanas. Será sempre o custo de  vida mais alto possível, o máximo lucro junto com o máximo desconforto e  insegurança. Será sempre essa coisa melancólica e ingênua, desperdiçando  tempo, espaço, capital, ta…

África, mãe do capitalismo europeu

Imagem
Os países europeus e americanos sempre olharam a África como aquele exótico lugar de caçadas, animais e tribos exóticos como nos filmes de Hollywood. Mas nem sempre foi assim. Os povos da África, como as tribos brasileiras, foram as maiores vitimas do “progresso” e da Modernidade desde o Século 19. Dia 16 de janeiro de 1961 morreu assassinado na África, o continente de todos, Patrice Lumumba, vitima dos paises desenvolvidos. Morreu com 35 anos de idade, assassinado, torturado e heroi. Depois vieram Kwame Nkrumah, Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Samora Machel.Agora o ex-presidente Lula participou do Fórum Social Mundial, que realizou sua 11ª edição em Dacar, no Senegal.A escolha da África para a primeira viagem internacional fora do poder é estratégica, pois Lula sabe o que aconteceu no continente, um dos focos de atuação do seu futuro instituto.Ele participará de debate com o presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, e será um líder informal da delegação brasileira. Num gesto de deferên…

Moderna arte

Imagem
Pintura de Tarsila do Amaral1922 – Inicia-se a Semana de Arte Moderna, evento que é o marco inicial do Modernismo no Brasil,TeatroFestival de Teatro Cidade do Rio de Janeiro - 8ª edição. Inscrição até 28 de fevereiroLiteraturaPoesiaTemática coisas/objetos: Salgado MaranhãoTemática lua: Raimundo CorreiaProsaTemática "Brasis", Marcelino RodriguezColuna quinzenal de Rogel SamuelDia da Criação da Casa de Moeda. Dia de Nossa Senhora de Lourdes. Dia Mundial do Enfermo. Dia Nacional do Japão Vaticano: Dia da Independência Dia do Zelador Nascimentos1847Thomas Edison, inventor norte-americano (m. 1931). 1853Salvatore Pincherle, matemático italiano (m. 1936). 1881Carlo Carrà, pintor futurista italiano (m. 1966). 1886Antônio de Almeida Lustosa, bispo brasileiro (m. 1974). 1896Raffaele Stasi, militar italiano (m. 1917). 1907Caio Prado Júnior, historiador, geógrafo, escritor, político e editor brasileiro (m. 1990). 1917Sidney Sheldon, escritor estadunidense (m. 2007).

Acontecendo...

Imagem
Dia do Atleta Profissional.Nascimentos1893Jimmy Durante, músico norte-americano (m. 1980). 1894Mãe Menininha do Gantois, a mais famosa iyalorixá (mãe-de-santo) brasileira (m. 1986). 1898Bertolt Brecht, dramaturgo, poeta e encenador alemão (m. 1956) 1901Stella Adler, atriz norte-americana (m. 1992)Falecimentos1950 – Marcel Mauss, sociólogo e antropólogo francês (n. 1872) 1958José Pancetti, pintor brasileiro (n. 1902) 1962Eduard von Steiger, Presidente da Confederação suíça em1945 (n. 1881). 1964Eugen Sänger, engenheiro aeroespacial austríaco (n. 1905) 1997Alexander R. Todd, vencedor do prêmio Nobel de química em 1957 (n. 1907). 2003José Lewgoy, ator brasileiro (n. 1920) 2005Arthur Miller, dramaturgo norte-americano (n. 1915) 2008Roy Scheider, ator norte-americano (n. 1932)

Hoje...

Imagem
A CRIAÇÃO DE CAVALOS 
Fim da década de 1940, Morro do Jacu, interior de Araguari. Longe dali, a grande guerra tinha acabado, mas naqueles pastos poucas notícias chegavam. O que interessava era preparar a terra para a lavoura, tratar do gado, cuidar dos porcos, das galinhas e dos cavalos, viver cada dia na rotina do trabalho, na rotina dos pequenos afazeres que moldavam a vida daqueles agricultores do antigamente. 
Cavalos sempre foram os preferidos de Ricardo, um dos muitos filhos de Rufino e Alice, os donos daquelas terras quase que totalmente cercadas pelo rio Piraí. Eram animais que tinham tudo o que ele gostava: velocidade, força, elegância. 
E a liberdade dos pastos, dos galopes nos amanheceres, além das carreiras nas raias, a melhor diversão dos finais de semana. Ricardo cuidava dos cavalos, mas não sabia como eles nasciam. 
Certo dia, lhe contaram uma história e os dias de Ricardo passaram a existir para comprovar tal história. Um dos cavalos do pai morreu, Ricardo nem ligou se era…

Semanas...

Imagem
Os amigos de nossos gatos TUIA - a gata-mascote de Blocos
Ela já é assídua de BLOCOS, tendo aparecido na página inicial, desde o ano passado, mostrando como é diversificado o nosso público-alvo... Então, este ano, elegemos Tuia, a gata da poeta Leninha (DF), como a nossa mascote. Achamos que representa bem nosso portal: cheio de classe, matizes e coloridos.
Quem a conhece, sabe que a foto não faz jús à sua beleza, que pessoalmente ela ainda é muito mais esplendorosa e linda... Mas, na falta do "ao vivo", mostramos Tuia em cores virtuais. Só de olhá-la, já nos sentimos com sorte e com bom astral.
.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.

LiteraturaPoesiaTemática terceira idade: Nei DuclósTemática futebol: Carlos NejarProsaColuna quinzenal "Poeticidades e outras falas", por Rubens da CunhaColuna trimensal "Livros em Blocos", por Marli Berg Coluna quinzenal "Mito em Contexto", por Solange FirminoFrases da sem

Júlio Verne, nascimento

Imagem
Júlio Verne, em francêsJules Verne, Nantes, 8 de fevereiro de 1828Amiens, 24 de março de1905) foi um escritorfrancês. Júlio Verne foi o filho mais velho dos cinco filhos de Pierre Verne, advogado (avoué), e Sophie Allote de la Fuÿe, esta de uma família burguesa de Nantes . É considerado por críticos literários o precursor do gênero de ficção científica, tendo feito predições em seus livros sobre o aparecimento de novos avanços científicos, como os submarinos, máquinas voadoras e viagem à Lua. A carreira literária de Júlio Verne começou a se destacar quando se associou a Pierre-Jules Hetzel, editor experiente que trabalhava com grandes nomes da época, como Alfred de Brehat, Victor Hugo, George Sand e Erckmann-Chatrian. Hetzel publicou a primeira grande novela de sucesso de Júlio Verne em 1862, o relato de viagem à África em balão, intitulado Cinco semanas em um balão . Essa história continha detalhes tão minuciosos de coordenadas geográficas, culturas, animais, etc., que os leitores se…

Anti-pragas: beijos frutados

Imagem
Pintura de MagritteHá que ter milagres
contra todas as pragas,
um Egito dourado
como na era de Tut.Há que ter beijos
(romances de novela)
e exalar um aroma fruit.Há que ter noites de lua
mesmo quando é fase nova
e a finge que não vê.
Como não vemos que o melhor
está debaixo do nosso nariz.Ando entendendo as tempestades,
raios, trovões...
Ando segurando
as fúrias e controlando vulcões...Dentro de mim terremotos,
explosões e disparos
de mil cavalos no cio...                                      Urhacy Faustino